Portal NN1

Últimas

Dudu Holanda renuncia antes de ser julgado no TRE Crédito: reprodução internet

Dudu Holanda renuncia antes de ser julgado no TRE

Em áudio que circula pelas redes sociais, o deputado estadual Dudu Holanda (PSD) comentou a estratégia que utilizou para renunciar à sua candidatura antes que o Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE-AL) apreciasse o seu caso. Dudu renunciou alguns minutos antes da corte eleitoral julgar sua impugnação por condenação criminal, julgada em órgão colegiado.

No áudio, o parlamentar justifica sua decisão. “Eu tive uma decisão criminal de 3 anos e 5 meses em regime aberto. Por descuido da minha ex-assessoria jurídica, perdi os prazos. O dr. Fábio Ferrário reativou o meu processo, mostrando as falhas processuais e voltando a condição de pré candidato”, afirma Dudu.

Apesar disso, o deputado lamentou a decisão de ter perdido o último recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), o que tornaria certa a impugnação de sua candidatura pelo TRE.

Dudu Holanda substituiu seu nome pelo do irmão mais novo, Marcos Hollanda, conhecido como Baygon. Marcos terá o mesmo número que o deputado e aparecerá na urna somente com o sobrenome Hollanda. No áudio, o deputado afirma que seu substituto é da sua confiança. “É o meu irmão, homem da minha confiança, meu braço direito, braço do guerreiro das Alagoas, chamado Dudu Hollanda”.

O deputado encerra o áudio afirmando que ele será o nome por trás de um possível mandato de Marcos Hollanda. “Nos bastidores, na articulação, na experiência de seis mandatos, continuará sendo o deputado Dudu Hollanda”, encerrou.

Dudu foi condenado em 2010 por uma briga em que se envolveu ainda no Natal de 2009, na festa de fim de ano da Câmara de Vereadores da capital. Dudu agrediu e arrancou um pedaço da orelha do então vereador Paulo Corintho. Este ano, já como candidato a deputado, ele  se envolveu em outro episódio, desta vez com o prefeito de Maribondo Leopoldo Pedrosa. Ele denunciou que o prefeito sequestrou e ameaçou sua namorada, denunciando o caso ao chefe do MP,  dr. Alfredo Gaspar.

Da redação

Compartilhe essa notícia
  • whatsapp

Últimas