19.5 C
Arapiraca
Sexta-feira, 24 Maio, 2024

Após quase três meses de protestos, Irã anuncia dissolução da polícia da moral

O procurador-geral do Irã, Mohammad Jafar Montazeri, anunciou a dissolução da polícia da moral após quase três meses de protestos desencadeados pela morte da curdo-iraniana Mahsa Amini, de 22 anos, detida por supostamente violar o rígido código de vestimenta do país. “A polícia da moralidade não tem nada a ver com o Poder Judiciário” e foi suprimida, afirmou Montazeri neste sábado à noite, informou a agência de notícias ISNA neste domingo, 4. “A melhor maneira de enfrentar os distúrbios é prestar atenção às verdadeiras demandas do povo, em sua maioria relacionadas com questões de subsistência e econômicas”, afirmou o porta-voz da presidência do Parlamento, Seyyed Nezamoldin Moussavi. Visto como um gesto em direção aos manifestantes, o anúncio da abolição desta unidade ocorre depois que as autoridades anunciaram que estavam analisando se a lei de 1983 sobre o véu obrigatório precisava de mudanças. O anúncio foi recebido com ceticismo por parte dos iranianos nas redes sociais. Em uma delas, um usuário manifestou seu temor de que as funções dessa estrutura sejam, a partir de agora, assumidas por outro órgão parecido. Lembrou, ainda, da forte pressão que as próprias famílias exercem sobre as iranianas.

O uso do véu se tornou obrigatório no Irã em 1983, quatro anos depois da Revolução Islâmica de 1979, que derrubou a monarquia do xá, e a lei estabelece que tanto as mulheres iranianas quanto as estrangeiras, independente de sua religião, devem usar véu cobrindo o cabelo e usar roupas largas em público. A República Islâmica está mergulhada em uma onda de protestos desde a morte da jovem Mahsa, em 16 de setembro, sob custódia da polícia da moralidade. As autoridades alegam que a morte de Amini foi provocada por problemas de saúde, mas sua família afirma que ela morreu após ser espancada. Desde então, as mulheres lideram os protestos, nos quais gritam palavras de ordem, como “mulher, vida, liberdade”, tiram e queimam seus véus.

Também neste sábado, Montazeri anunciou que o “Parlamento e o Poder Judiciário” estavam analisando a questão da obrigatoriedade do véu, mas não antecipou se a lei será modificada. O véu é um tema muito delicado na República Islâmica. De um lado, estão os conservadores, que defendem a lei de 1983. Do outro, os progressistas, que desejam que as mulheres tenham a liberdade de decidir se usam a peça ou não. Desde o início do movimento de protestos, cada vez mais mulheres saem às ruas sem o véu, em particular na zona norte rica de Teerã. Em 24 de setembro, o principal partido reformista do Irã pediu o fim da obrigatoriedade do uso do véu. O Irã acusa o governo dos Estados Unidos e seus aliados, assim como seu grande inimigo Israel, de envolvimento nos protestos, os quais classifica como “distúrbios”. De acordo com o balanço mais recente divulgado pelo general iraniano Amirali Hajizadeh, da Guarda Revolucionária, mais de 300 pessoas morreram nas manifestações desde 16 de setembro. Várias ONGs afirmam, no entanto, que o número real seria mais do que o dobro.

*Com informações da AFP

Fonte: Jovem Pan