terça-feira, 26 outubro, 2021
InícioArapiracaCelebrando 69 anos, ASA vive momento de reconstrução do clube

Celebrando 69 anos, ASA vive momento de reconstrução do clube

Todo o ano se discute sobre a fundação e a transição entre Associação e Agremiação, mas para o torcedor o ASA é único

A Agremiação Sportiva Arapiraquense (ASA) está celebrando neste sábado (25/09), 69 anos de fundação. O alvinegro é dono de sete títulos estaduais (1953, 2000, 2001, 2003, 2005, 2009 e 2011), um vice-campeonato brasileiro da Série C ( 2009), vice-campeão da Copa do Nordeste (2013), Campeão da Copa Alagipe (2005) e bi-campeão da Copa Alagoas (2020 e 2021).

Todo o ano se discute sobre a fundação em 25 de Setembro de 1952 como Associação e a mudança ocorrida em 1977, se tornando Agremiação, mas mantendo a mesma sigla que o consagra durante sua existência: ASA. Apesar dos questionamentos, para o torcedor arapiraquense não há como separar os momentos históricos do clube.

ASA Campeão 2000

A História 

A equipe do ASA se confunde com a história de Arapiraca, uma vez que surgiu a partir da construção da linha férrea em 1952, e herdou o uniforme da antiga equipe do Ferroviário, formada por funcionários da obra. O time que teve como primeiro presidente Antônio Rocha, atua no estádio que leva o nome do ex-prefeito Coaracy da Mata Fonseca, que também participou da história do clube.

Durante as décadas de 60 e 70, o ASA passou a ser conhecido, também, pelo apelido de Fantasma das Alagoas, em razão as excursões feitas pela equipe arapiraquense pelo Nordeste, vencendo equipes já tradicionais do cenário nacional.

Na Copa do Brasil, eliminou alguns gigantes como Palmeiras (SP), Coritiba (PR) e Vitória (BA). O ano de 2009 foi um marco da sua história, com o tão sonhado acesso à Série B do Campeonato Brasileiro, na famosa Batalha do Acre, diante do Rio Branco. Ficou na segunda divisão nacional até 2013.

Uma equipe importante não apenas no aspecto do futebol, mas na própria economia da cidade, gerando renda a vários setores do comércio, movimentando hotéis, taxistas e mototaxistas, citando como exemplos. Sendo um pouco crítico, surgiram também aquelas caronas, inclusive políticas. Mas fazem parte do contexto.

Acesso em 2009 no Acre

O momento

Atualmente, o time de Arapiraca não vive um bom momento dentro das quatro linhas. O torcedor está triste devido as quedas de divisões, falta de conquistas e problemas financeiros, resultantes de situações mal resolvidas. No entanto, a gestão atual vem buscando os meios legais para fazer com que o ASA possa se reerguer e continuar mostrando ao povo a sua identidade vencedora.

Torcida do ASA no Acre

Nomes

Acebilio, Panquela, Geraldo Moreira, Carioca, Bió, Paulo Roberto Guilhard, Adeildo Dasmaceno, Freitas, Edinho Batalha, Rommel, Canhoto, Riva, Pitico, Berinho, Moisés, Jota, Serginho bola na rede, Marquinhos Girau, Jaelson Marcelino, Paulo Foiani, Rodriguinho, Ciel, Raul, Marcos Tamandaré, Tuti, Paulão, Léo Gamalho, Luiz Mário, Leandro Cardoso, Lúcio Maranhão, Júnior Viçosa,Nena, Cal, Jorginho, Didira, Thallysson, Caíque Valdivia, João Paulo, Vica e tantos outros nomes que, ao longo, das temporadas deixaram sua marca na história alvinegra.

Esses são alguns nomes. Existem vários outros que ficam na preferência de cada torcedor.

Jaelson Marcelino

Zagueiro Leandro Cardoso

Mancha Negra

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS