29/10/2019 às 20h07min - Atualizada em 29/10/2019 às 20h07min

O consignado tem piorado a vida de quem já teve dificuldades

Muita gente imagina estar fazendo um bom negócio, afinal trata-se de um dinheirinho que chega na hora da necessidade

José Rocha

Reprodução Internet
O empréstimo consignado, aquele que as pessoas fazem junto às financeiras e agências bancárias e já vem descontado do salário ou da aposentadoria, tem se tornado uma prática cada vez mais comum. Muita gente imagina estar fazendo um bom negócio, afinal trata-se de um dinheirinho que chega na hora da necessidade, cujo empréstimo vai sendo pago parceladamente.

O funcionário público e o aposentado que tem um salário certo todo mês, podem recorrer a essa ajuda na hora do aperreio, no entanto, o que as vezes parece ajudar termina atrapalhando. É isso está acontecendo com várias pessoas que se submetem a esse tipo de empréstimo. Quando isso é feito de forma planejada não gera muita dor de cabeça, aliás, tudo bem planejado tende a dá certo, mas da maneira que muita gente está fazendo, o que parece ser a solução de um problema transforma-se numa situação muito mais complicada. É claro que o planejamento nem sempre pode ser feito, sendo urgência, caso de vida ou morte, é diferente.

O pior tem sido para os aposentados que se endividam, comprometendo boa parte da aposentadoria e passam o dinheiro, fruto do empréstimo, para terceiros: filhos, genros, netos, sobrinhos, amigos... e esse dinheiro na maioria das vezes é utilizado pra comprar motos, mobílias, eletrodomésticos coisas que poderiam ser adquiridas de outras formas sem comprometer aquele salário do idoso que já é insignificante para suas necessidades básicas, como alimentação e remédio, por exemplo.

Outro agravante nessa história, são os juros que nas propagandas dizem ser bem baixinhos e na verdade não é bem assim. Essas mesmas propagandas também falam das facilidades, sem consultar isso ou aquilo, sem burocracia, sem avalista, mas é lógico, trata-se de um negócio seguro para quem estar emprestando, afinal o desconto já é feito na fonte e do vencimento de uma pessoa com salário garantido. Com certeza essas mesmas facilidades não são oferecidas para aqueles que não têm a estabilidade no emprego.

O próprio governo, que oficializou, precisa monitorar melhor o empréstimo consignado. Reavaliar os efeitos desse sistema, porque se continuar do jeito em se encontra, com esta corrida desenfreada atrás do dinheiro, sem analisar as conseqüências, aquilo que foi criado para ajudar uma parte da pobreza, na verdade só vai afundar muito mais essa parcela da população. Enquanto isso, os verdadeiros beneficiados continuam sendo os bancos e financeiras.

Não basta reduzir os juros de forma tímida, ou estabelecer um percentual de empréstimo sobre o valor do salário da pessoa, como já foi feito, tem que baixar os juros ainda mais e criar outros mecanismos para orientar melhor a nossa gente. Se continuar dessa forma, o tal empréstimo consignado, ao invés de ajudar, só vai continuar piorando a situação de quem já vive uma vida difícil.
             

Relacionadas »
Comentários »