27/01/2020 às 14h25min - Atualizada em 27/01/2020 às 14h25min

Ideologia acima de tudo, incompetência acima de todos

O governo segue mostrando que seu principal objetivo é manter um discurso ideológico retrógrado mesmo que o serviço público seja da pior qualidade possível

Thiago Abel Pantaleão
Reprodução Internet
Desde sua eleição em 2018, o atual presidente tem batido na tecla da ideologia, afirmando que seu governo se pautaria pelo combate a ela e que a composição de sua equipe seria formada apenas por nomes técnicos e com vasto conhecimento na área. Seria lindo se fosse real.
 
Iniciando com novo presidente da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Benedito Gui­ma­rães Agui­ar Ne­to que defende o criacionismo cristão como vertente para explicar a origem do mudo, passando pela ministra Damares que lança (sem base científica alguma) a proposta de abstinência sexual como política pública para prevenir gravidez e IST´s e chegando ao atual chefe da educação brasileira o corrigível, Abraham Weintraub.

Organizando o pior Enem de todos os tempos, o atual ministro da educação fecha com chave de ouro o argumento central do título desse texto.
  
A incompetência e amadorismo com que o exame foi tratado causou angústia, medo, incerteza, ansiedade e até crise de pânico para milhões de estudantes por todo o país que tem o sonho de cursar uma universidade pública. Vale lembrar que essa foi a primeira vez na história do Enem que houve erro na correção da prova, o que colocou em dúvida todo o processo e levou o certame aos tribunais.
 
As falhas no MEC seguem com ameaças públicas do gestor na pasta, informações com erros de ortografia e de conceito (chegando a errar o horário da prova do Enem de 2019), perseguições a docentes com inclinação a esquerda, cortes de recursos para universidades por retaliação, falta de diálogo com gestores, criação de uma carteira de estudante simplesmente para concorrer com instituição de representação estudantil, ataques ao livro didático e aos referenciais teóricos que norteiam a organização da educação no país (esses reconhecidos no mundo todo, como o educador Paulo Freire, um dos mais traduzidos educadores do planeta e homenageado pelas maiores instituições educacionais), temas impactantes e que passam desapercebidos pelo chefe do planalto.

A mensagem deixada pelo presidente, que insiste em manter o chefe do ministério da educação é: Seja fiel que por mais incompetente que você seja, sua lealdade será paga a preço de ouro. Como  a mentalidade de Abraham Weintraub é afinadíssima com o Bolsonaro e ele é discípulo de Olavo de Carvalho, se mantem blindado de tantas asneiras que tem feito.

 
A incompetência disfarçada de desburocratização e autenticidade segue fazendo vítimas, seja na educação com as incertezas do Enem, no INSS com a lentidão fora do normal, na cultura com as ingerências na gestão e rompantes nazistas. O governo segue mostrando que seu principal objetivo é manter um discurso ideológico retrógrado mesmo que o serviço público seja da pior qualidade possível. 
Relacionadas »
Comentários »