quarta-feira, 17 agosto, 2022
HomeGeralEm Moscou qualquer pessoa pode tomar vacina contra covid-19 e ainda ganha...

Em Moscou qualquer pessoa pode tomar vacina contra covid-19 e ainda ganha um sorvete

Na Praça Vermelha, o posto de vacinação contra a covid-19 é quase uma atração turística. Ali, a Sputnik V pode ser tomada por quem quiser, incluindo estrangeiros

A vacina russa Sputnik V está disponível em Moscou desde 18 de janeiro. É grátis, não precisa marcar hora e o imunizado recebe um sorvete de chocolate grátis. Qualquer pessoa pode tomar, incluindo estrangeiros.

O posto de vacinação virou atração turística. Ele fica na Praça Vermelha, em uma lendária loja de departamentos GUM, bem em frente à Gucci. A instalação parece a propaganda perfeita para o imunizante, que recebeu o nome do primeiro satélite do mundo.

A vacina ficou disponível para alguns grupos de risco, incluindo médicos e assistentes sociais no início de dezembro. Aos poucos, mais grupos foram ganhando vaga na fila. Agora, está disponível para qualquer um – inclusive turistas. Em janeiro, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou o lançamento de um ambicioso programa de “vacinação em massa”.

Na semana passada, o prefeito de Moscou anunciou que 400 mil pessoas haviam sido vacinadas na capital, que tem cerca de 12 milhões de habitantes. Há cerca de 100 hospitais que aplicam a vacina em Moscou. Ela também está disponível em vários pontos de vacinação, incluindo centros comerciais e uma casa de ópera.

Na loja de departamentos GUM, não há grandes filas para a vacina, mas um fluxo constante de pessoas – jovens e idosos – chega para recebê-la.

“A Rússia tem as melhores vacinas e o melhor remédio”, diz Ekaterina Avonina. A jovem afirma que teve o coronavírus há seis meses, mas não quer ficar doente novamente. Ela nunca teve dúvidas sobre a Sputnik V. “Ontem estive aqui com minhas amigas e vi que elas estavam aplicando vacinas. E vim tomar a minha hoje”.

Os voluntários e funcionários que ajudam com a vacinação na GUM estimam que cerca de um terço dos que recebem a vacina na loja de departamento são estrangeiros, embora não haja números que confirmem isso. “Eu nem sabia que havia tantos estrangeiros vivendo em Moscou”, diz Sofia Markova, enquanto distribui sorvete aos vacinados.

Orgulho nacional

Para a Rússia, o lançamento da vacina é uma questão de orgulho nacional. Há duas vacinas registradas no país e uma terceira a caminho. Ainda nesta semana, a Rússia entregou um pedido para obter a aprovação da UE para a Sputnik V. A Hungria já aprovou. A vacina russa também está disponível em vários países fora da UE, como Argentina e Sérvia. No Brasil, ela também aguarda aprovação.

Na semana passada, uma pesquisa revisada por pares publicada na revista científica “The Lancet” mostrou que a vacina tem eficácia média de 91,6% para casos sintomáticos. O artigo reforçou a confiança na vacina russa, em meio a críticas de que os testes teriam sido apressados.

Mas até agora parece que os próprios russos não confiam em sua própria vacina. Pesquisas regulares realizadas pelo centro independente de pesquisas Levada mostraram que mais da metade dos russos não quer tomar a Sputnik V (58% em dezembro).

Apesar do início precoce e do fato de a vacina estar agora aberta a quase todos os grupos da população, a campanha de vacinação do país é comparativamente lenta. De acordo com uma das empresas que desenvolveu a vacina, o Fundo Russo de Investimento Direto, mais de 1 milhão de pessoas na Rússia já foram imunizadas. Autoridades anunciaram recentemente que planejam vacinar mais de 68 milhões de pessoas, ou 60% dos russos neste ano, para atingir a chamada “imunidade de rebanho”.

O número de infectados no país vem caindo constantemente desde um pico em dezembro. Existem atualmente cerca de 15 mil novos casos por dia, semelhante ao nível de infecções que a Rússia tinha em meados de outubro.

Há dúvidas sobre a confiabilidade das estatísticas oficiais do coronavírus. Mas Boris Ovchinnikov, um dos fundadores da agência de pesquisa de comércio eletrônico “Data Insight”, acredita que pode haver “uma redução ainda maior nos números do que os números oficiais indicam”.

Ele baseia suas pesquisas sobre taxas de infecção em dados de mecanismos de busca, por exemplo, em pesquisas online de sintomas comuns de coronavírus, como a perda do olfato. “No leste do país, a frequência das buscas sobre o olfato voltou aos níveis de verão”, comenta.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS