sexta-feira, 14 maio, 2021
InícioCiênciaEntenda o que são novas variantes do coronavírus e por que devemos...

Entenda o que são novas variantes do coronavírus e por que devemos nos preocupar com elas

Veja as principais dúvidas sobre as variantes e o que sabemos sobre elas até agora

Se em 2020 o mundo descobriu o novo coronavírus, seus efeitos de curto e longo prazo, como prevenir e como desenvolver vacinas contra um Covid-19, o assunto em 2021 são como variantes do vírus, ou seja, novas formas dele que continuam a surgir e a causa do porquê de seu alto potencial de transmissão e pelo temor do que podem fazer aos imunizantes já desenvolvidos.

Veja as principais dúvidas sobre as variantes e o que sabemos sobre elas até agora.

O que são variantes do vírus?

O coronavírus infecta as células e as sequestra para produzir novas cópias dele. Nesse processo de aumentar seu exército, ele acaba cometendo alguns erros de cópia, chamados de mutações.

Qualquer forma educativa em laboratório com uma ou mais mutações que distingam o vírus da forma ancestral é identificada como uma nova variante do vírus, segundo o virologista e professor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, Paulo Eduardo Brandão.

Na prática, cepa e variante são a mesma coisa. Cepa é o termo que se refere a uma única amostra isolada em laboratório, enquanto variante é o termo que se refere ao vírus em uma região (por exemplo, o surto de Londres foi por uma variante identificada em várias de lá).

Durante uma pandemia, diversas variantes do coronavírus Sars-CoV-2 já foram identificadas.

E por que as variantes surgem?

Apontadas muitas vezes como a causa da piora da pandemia no Brasil, na verdade elas são o resultado do descontrole e da alta circulação de pessoas.

Quanto mais o vírus circula, maiores as chances de mutações surgirem —algumas delas facilitam a entrada do vírus nas células ou então impedem a ação de neutralizantes.

Como as variantes são batizadas?
Brandão afirma que, para evitar estigmas, não são mais nomeados da região geográfica em que foi descoberta a linhagem. A nomenclatura oficial usa uma letra (indicar a linhagem ancestral, como “B” ou “P”) e números (por exemplo B.1.1). Para que este texto não vire uma sopa de letrinhas e confunda o leitor, vamos usar as cidades de origem em alguns casos.

As variantes marcadas até agora que causam preocupação são a B.1.1.7, identificada no Reino Unido , a B.1.351, que surgiu na África do Sul, como duas linhagens brasileiras, a P.1, originária de Manaus e já dominante em pelo menos seis estados brasileiros fora do Amazonas, e P.2, de grande circulação no Brasil e primeiro identificada no Rio de Janeiro, e duas linhagens encontradas nos Estados Unidos, a CAL.20C, no sul da Califórnia , e a B.1.526, em Nova York.

A primeira variante a ser necessária foi a do Reino Unido, a partir de sequenciamento em massa de vírus, principalmente vindos da região de Kent, no sul de Londres. Até o momento, ela já foi detectada em 111 países e é predominante em toda a Europa.

As variantes são os mais perigosas do que o coronavírus original?

A B.1.1.7 já era conhecida por ser de 43% a 90% mais transmissível. Recentemente, pesquisadores das universidades de Exeter e Bristol verificaram também que ela é 64% mais letal e pode causar formas mais graves da doença.

Os autores estimam um risco de morte 61% maior com a variante britânica.

Em relação ao potencial risco à saúde pública, variante B.1.351 , da África do Sul, tem se mostrado preocupante. Apesar de não haver ainda dados que associem esta variante à maior severidade ou letalidade da doença, a linhagem que surgiu no país africano tem potencial de transmissão até 1,5 maior e não é freada pelos que não controlam a forma original do vírus, demonstrando que uma infecção prévia não impede a reinfecção.

A P.1, ou variante de Manaus , também apresenta maior transmissibilidade, embora ainda não haja um consenso de mais transmissível ela é —cientistas falam de 2,2 a até 6 vezes mais.

Em comum à variante sul-africana, a P.1 apresenta também a mutação E484K, ligada ao bloqueio da ação de neutralizantes que impedem a entrada do vírus original nas células. Casos de reinfecção também já foram reportados e não podem ser descartados.

Faltam ainda dados sobre maior letalidade ou gravidade da doença em infectados sobre essa variante, mas a impressão dos profissionais de saúde e pesquisadores que estudam o vírus é que essa linhagem teria relação com o maior número de óbitos observados naqueles lugares com alta ocorrência da P.1 em 2021, como Manaus e Araraquara .

Uma outra variante também surgiu no Brasil, chamada de P.2, precedida primeiro a partir de um caso de reinfecção com essa nova variante. Por ser ainda pouco estudada, não há dados sobre sua maior letalidade ou severidade, mas ela possui a mesma mutação presente nas variantes B.1.351 e P.1, capaz de bloquear a ação de neutralizar uma forma ancestral do vírus.

As variantes podem atrapalhar as vacinas?

A variante britânica não parece causar impacto potencial nas vacinas disponíveis contra a Covid-19.

A variante da África do Sul, quando testado contra soro de vacinados com as vacinas da Pfizer, Moderna e Oxford/AstraZeneca, diminuiu completar o nível de presentes no sangue. Como uma ação é de um dos mecanismos de resposta imune, essa variante pode potencialmente reduzir a eficácia das vacinas, segundo estudos feitos na África do Sul com as vacinas da Novavax e da Janssen, que teve uma redução na eficácia de seus imunizantes (de 89,1% para 48,6%, no caso de Novavax, e de 72% para 64%, para Janssen) quando testados naquele país.

Estudo com o soro de vacinados com as vacinas da Pfizer e Moderna contra uma variante de Manaus apontou redução nos neutralizantes, embora em uma proporção menor do que o observado com um B.1.351. A Janssen conduziu testes na América Latina e verificou uma redução da eficácia de sua vacina na região, embora não haja ainda assim de que essa redução ligada à P.1.

Já dados preliminares ainda não divulgados oficialmente das vacinas da Oxford/AstraZeneca e Coronavac indicam que essas vacinas são eficazes contra a P.1, de Manaus.

O estudo das vacinas da Pfizer e Moderna com soro de comparados vacinados apontou para quando testados contra uma variante P.2, mas não há dados concretos sobre redução de eficácia. Para as demais vacinas, não há dados.

É importante ressaltar que, mesmo com a redução de eficácia, as vacinas ainda têm potencial em reduzir a hospitalização e severidade da doença, e não houve mortes no grupo de indivíduos vacinados dos dois estudos, indicando proteção contra mortes. Além disso, elas protegem contra uma linhagem ancestral do vírus e ainda podem ser boas aliadas para a imunização da população.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS