15/07/2020 às 14h56min - Atualizada em 15/07/2020 às 14h56min

​Escolas de samba do Rio adiam decisão sobre carnaval de 2021

Caso exista vacina contra covid-19, folia será mantida em fevereiro

Da Redação - com Agência Brasil
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
A Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) do Rio de Janeiro adiou para setembro a decisão sobre o carnaval de 2021. Durante uma reunião na sede da entidade, no centro do Rio, ontem à noite (14/07), os representantes das 12 escolas do Grupo Especial concluíram que, diante da indefinição causada pela pandemia da covid-19 e enquanto não houver vacina para combater a doença, as datas previstas dos desfiles do ano que vem (14 e 15 de fevereiro) podem não ser mantidas.
 
A Liesa aguarda a posição das autoridades e a evolução científica na busca por medicamento ou desenvolvimento da vacina. Para a entidade, setembro é o prazo máximo para definir se é possível a realização do carnaval do ano que vem.
 
Em setembro, haverá uma nova reunião para avaliar a situação. O presidente da Liesa, Jorge Castanheira, lembrou que os desfiles costumam causar aglomerações e, por isso, a realização fica difícil sem uma garantia de segurança da saúde dos integrantes das escolas e do público.
 
“Imaginamos ter um desfile das escolas de samba em fevereiro, se houver uma vacina. Sem a vacina não temos como fazer este tipo de evento com aglomeração, porque o carnaval é isso. O jogo de futebol pode acontecer sem plateia, a Fórmula 1 pode acontecer sem plateia, mas os desfiles das escolas de samba não podem ocorrer sem aglomerações dos desfilantes ou de quem está assistindo”, disse.
 
Para o carnavalesco da Mangueira, Leandro Vieira, é bom ver a ponderação e a prudência da Liesa em só enxergar a viabilidade dos próximos desfiles com a existência da vacina para a covid-19.
 
“Aguardar a passagem dos dias postergando decisões é o que tenho defendido publicamente desde o princípio das incertezas. A decisão de esperar o desenrolar do cenário até setembro para uma resolução definitiva, com a análise da evolução do quadro, na esperança do tão sonhado controle da pandemia, é dar vez à sensatez e à postura pública compromissada que sempre cobramos da entidade”, disse à Agência Brasil.
 
Na visão do carnavalesco, a decisão reforça a importância das agremiações na cadeia produtiva que gera empregos e renda para muitos trabalhadores.
 
“Sem o atropelo das decisões e a banalização da doença, a decisão acertada reforça que o desfile das escolas de samba não é apenas uma das mais potentes manifestações culturais brasileiras, mas também uma cadeia produtiva que gera milhares de empregos e renda para um número sem tamanho de trabalhadores, onde me incluo”, observou.
 
Além da Mangueira, Leandro Vieira é carnavalesco do Império Serrano, escola da Série A. “Quero ver na avenida a Mangueira e o Império. É fundamental, contudo, colocar em primeiro lugar a saúde de quem desfila, trabalha ou estará na Sapucaí como público. Escola de samba só é grande porque é o material humano que dá todo o sentido ao carnaval. As escolas e a entidade que lhes representa são maiores e se agigantam quando se mostram conscientes do seu papel social e cultural, indo muito além do dia do desfile”, completou.
Notícias Relacionadas »
Comentários »