18/07/2019 às 11h09min - Atualizada em 18/07/2019 às 11h09min

Cerca de 550 custodiados devem fazer o exame para conclusão do ensino básico em Alagoas

Provas serão aplicadas nos dias 8 e 9 de outubro

Da Redação - com Agência Alagoas
Assessoria
A Secretaria de Ressocialização e Inclusão Social (Seris) abriu as inscrições para o Exame Nacional para Certificação de Competência de Jovens e Adultos (Encceja), também destinado a detentos e jovens que cumprem medida socioeducativa com privação de liberdade. Jovens e adultos, que não tiveram a oportunidade de concluir seus estudos na idade apropriada para cada nível de ensino (fundamental e médio), podem participar do exame nacional. As inscrições podem ser feitas até o dia 22 de julho, e as provas serão aplicadas nos dias 8 e 9 de outubro.

O edital publicado no Diário Oficial da União contém todos os prazos e regras para a realização do exame, que é gratuito e está sob a responsabilidade, em 2019, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O participante deve ter ao menos 15 anos de idade para postular a certificação do ensino fundamental e, no mínimo, 18 anos para a do ensino médio.

O Encceja é dividido em quatro provas objetivas por nível de ensino e uma redação. Cada prova tem 30 questões de múltipla escolha. Os candidatos à certificação do fundamental serão avaliados nas seguintes áreas do conhecimento: língua portuguesa, língua estrangeira, artes, educação física e redação; história e geografia; ciências naturais; e matemática. Já para o ensino médio será exigido conhecimento nas áreas de matemática; redação, linguagens e códigos; ciências da natureza; e ciências humanas.

Quem não conseguir ser aprovado em alguma das provas poderá receber uma declaração de proficiência nas áreas em que obteve êxito. Isso vai permitir que, no próximo Encceja, este reeducando faça apenas as provas nas quais não foi aprovado, o que não acontecia até a edição de 2018.

Reeducandos de todas as 11 unidades do sistema prisional alagoano devem participar do exame. Segundo a supervisora de Educação da Seris, Genizete Tavares, cerca de 550 pessoas privadas de liberdade, incluindo as que cumprem pena nos regimes aberto e semiaberto, devem participar do Encceja em Alagoas, o que representaria um incremento de 41%, considerando o número de inscritos (388) no ano passado.

Para a supervisora, além de conceder o certificado de conclusão do ensino básico, o exame nacional também é uma grande oportunidade de muitos reeducandos seguirem adiante com os estudos. Em Alagoas, já são 35 pessoas privadas de liberdade (regime fechado) fazendo graduação à distância, com outras seis matriculadas em cursos de pós-graduação. Ao todo, são 544 os detentos em sala de aula, incluindo os contemplados com cursos profissionalizantes, segundo levantamento de maio deste ano.
Notícias Relacionadas »
Comentários »