domingo, 3 julho, 2022
InícioGeralOMS tem esperança de que pior fase da atual onda de Covid...

OMS tem esperança de que pior fase da atual onda de Covid tenha passado

Dados da OMS mostram mais de 18 milhões de novos casos de Covid-19 foram confirmados em todo o mundo na última semana.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse, nesta terça-feira (18/01), ser possível que a pior fase da atual onda da Covid-19, impulsionada pela variante Ômicron, esteja passando. Mas alertou que a “pandemia está longe de terminar”.

“Em alguns países, os casos parecem ter atingido o pico, o que dá esperança de que o pior desta última onda tenha passado, mas nenhum país está fora de perigo ainda”, afirmou Adhanom.

Dados da OMS mostram mais de 18 milhões de novos casos de Covid-19 foram confirmados em todo o mundo na última semana. “Essa pandemia está longe de terminar e com o incrível crescimento da Ômicron globalmente, é provável que surjam novas variantes, e é por isso que o rastreamento e a avaliação permanecem críticos”, explica.

Gravidade da doença

O chefe da OMS rebateu afirmações de que a variante Ômicron pode ser encarada com menos preocupação por apresentar características que levam à menor mortalidade.

“Ômicron pode ser menos grave, em média, é claro, mas a narrativa de que é uma doença leve é ​​enganosa. Prejudica a resposta geral e custa mais vidas. Não se engane, a Ômicron está causando hospitalizações e mortes, e mesmo os casos menos graves estão inundando as unidades de saúde”, afirmou.

Adhanom pediu que as populações continuem a se proteger e façam o possível para reduzir o risco de infecção e aliviar a pressão do sistema de saúde.

“Agora não é hora de desistir e agitar a bandeira branca. Para muitos países, as próximas semanas continuam sendo realmente críticas para os profissionais de saúde e os sistemas de saúde”, disse.

Baixa cobertura vacinal

Na coletiva de imprensa desta terça-feira (18/01), os diretores da OMS voltaram a demonstrar preocupação sobre as baixas taxas de cobertura vacinal em países sem amplo acesso às doses, deixando as populações mais vulneráveis à infecção do novo coronavírus desprotegidas.

“Continuo particularmente preocupado com muitos países que têm baixas taxas de vacinação, pois as pessoas correm muito mais risco de doenças graves e morte se não forem vacinadas”, disse Tedros. “Precisamos garantir que compartilhamos as vacinas atuais de forma equitativa e desenvolvemos a fabricação distribuída em todo o mundo. Só podemos vencer esse vírus se trabalharmos juntos e compartilharmos ferramentas de saúde de forma equitativa”, completa.

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS