quinta-feira, 9 dezembro, 2021
InícioArapiracaREPORTAGEM ESPECIAL – A deficiência na iluminação pública afeta diversos bairros de...

REPORTAGEM ESPECIAL – A deficiência na iluminação pública afeta diversos bairros de Arapiraca, aumentando a insegurança nas ruas

A reportagem da NN FM relata a falta de iluminação pública adequada em diversas localidades, mostrando a realidade vivenciada pela população  

Em praticamente todos os bairros e povoados de Arapiraca pode-se observar a deficiência na iluminação pública, um problema que além de causar transtornos à população, aumenta a insegurança, contribuindo com a ação de criminosos, e aumenta a ocorrência de acidentes no trânsito.

A NN FM fez uma reportagem especial para mostrar a precariedade da iluminação pública em alguns bairros da cidade. No bairro Brasiliana, a escuridão prevalece no entorno da Escola Monsenhor José Soares e nas proximidades da Rua Maurício Pereira.

Alaelson Batista da Silva, morador do bairro Brasiliana, reclama que a escuridão nas ruas aumenta a ocorrência de assaltos no bairro. “Quando a gente entra em contato com a prefeitura, eles dizem que irão mandar as equipes para trocar as lâmpadas e resolver problema, mas não mandam”, afirma o morador. Segundo ele, há meses, a rua onde localiza-se a Escola Monsenhor José Soares está às escuras. Já nas proximidades da Rua Maurício Pereira, os moradores sofrem com a insegurança pública por causa da escuridão nas ruas.

No Conjunto Residencial Aroeiras, às margens da AL-115, no bairro Bom Sucesso, Ramon Yago reclama da falta de iluminação pública, que persiste desde dezembro do ano passado, ainda na gestão anterior. “Desde o ano passado, nós estamos buscando a Prefeitura de Arapiraca, pedindo o reparo das lâmpadas. Eles sempre se negavam, mas, recentemente, se comprometeram a começar os reparos até o dia 15 de novembro”, destaca o morador, enfatizando que todos os moradores do residencial pagam a taxa de iluminação pública, mas falta o retorno por parte do poder público.

Segundo Daniel Silva, presidente da Associação de Moradores do Residencial Aroeiras, a comunidade entregou um ofício à Secretaria Municipal de Serviços Públicos, detalhando a quantidade de postes que estão sem lâmpadas. “Sempre que nós entregamos os ofícios, levamos em anexo o mapa do residencial, mostrando quais postes estão sem lâmpadas. Agora que temos esse prazo do dia 15, vamos aguardar na expectativa de que a secretaria realmente faça os reparos”, ressalta.

Na comunidade conhecida como Baixa da Hora, localizada às margens da AL-485, no bairro Boa Vista, ao lado do Distrito Industrial de Arapiraca, a deficiência na iluminação pública é ainda pior, já que trata-se de uma localidade distante do Centro de Arapiraca e esquecida pelo poder público municipal. Allan Figueredo, morador da Baixa da Hora, reclama que, de dez postes, apenas quatro estão com as lâmpadas acesas na rua onde mora.

A reportagem da NN FM entrou em contato com a Equatorial Alagoas para entender como que funciona essa questão da taxa de iluminação pública, que está inclusa na conta de energia elétrica do cidadão. De acordo com Carlos Morais, gerente de relacionamento com o cliente da Equatorial Energia Alagoas, a cobrança da contribuição de iluminação pública acontece através da conta de energia, depois que é aprovada por lei.

“A Câmara Municipal faz aprovação de um projeto de lei, que é sancionado pelo prefeito e passa a vigorar no município. Os percentuais de cobrança são definidos por classe de consumo e aplicados mensalmente na conta de energia. Vale destacar que esses valores são repassados aos municípios, que firmam um contrato com a Equatorial Alagoas para fazer a cobrança por meio da conta de energia. Esses recursos são utilizados pela prefeitura para o custeio da iluminação, pagando o consumo e ampliando o sistema com melhorias, manutenção e tudo que está envolvido do parque de iluminação pública”, explica Carlos Morais.

O NN1 entrou em contato com a Prefeitura de Arapiraca, solicitando um posicionamento em relação à precariedade na iluminação pública nas localidades citadas na reportagem, no entanto, até a publicação desta matéria, não obtivemos resposta.

Veja a reportagem:

Reprodução: NN Play

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS